Homosexualidade - Na visão espírita

23/09/2010 5 comentários
Quero que meus leitores saibam que sou espírita apometra e que posto aqui assuntos relacionados não somente espíritas mas também todos relacionados a espiritualidade pois acredito que todos estão de alguma forma interligados, que nos fazem tão bem tanto para reflexão quanto para aprendizado e que minha base é kardequiana mas que estudei também outras filosofias tão quão importantes quanto a doutrina espírita e que acredito completam a nossa tragetória na terra,e continuo estudando e procurando ser um ser humano melhor não vai pensar que sou perfeita ou uma bela samaritana nãooo....sou cheia de defeitos,erros e acertos.Meu caldeirão está sempre em ebulição horas aceitando as coisas outras não e com uma estrada longaaa na terra."A quem muito é dado, muito será cobrado"
Não venho aqui de forma nehuma julgar ou pré julgar ninguém e nenhuma religião ou pessoa que não venha de encontro as minhas idéias abro o espaço a discussões e sugestões de postagens.Este espaço é para elucidações,informação e também para amizades fortificando nossos laços de amor e fraternidade universal.Uma boa leitura e reflexão a todos.
Allë Santana



"Queremos todos ajudar-nos uns aos outros. Os seres humanos são assim. Queremos viver a felicidade dos outros e não a sua infelicidade. Não queremos odiar nem desprezar ninguém. Neste mundo há lugar para toda a gente. E a boa terra é rica e pode prover às necessidades de todos. O caminho da vida pode ser livre e belo, mas desviámo-nos do caminho."(Charles Chaplin)

Parte I
Vou abordar alguns assuntos delicados, mas de qualquer forma devem ser analisados pelos espiritas e espiritualistas obviamente com olhar da Doutrina baseada nas Obras da Codificação.Sobre a HOMOSSEXUALIDADE , o que diz a FEB sobre as condições sexuais inversivas???
A fonte deste artigo é da FEB-Federação Espírita Brasileira.

 - Na questão 202 de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec pergunta: "Quando errante, que prefere o Espírito: encarnar no corpo de um homem, ou no de uma mulher?" A resposta: "Isso pouco lhe importa. O que o guia na escolha são as provas por que haja de passar".
Os Espíritos superiores querem dizer com isto que, escolhida a opção, deve-se enfrentar as provas referentes a tal opção. Se a escolha for o corpo masculino, deverá enfrentar as experiências reservadas ao homem;

se a encarnação ocorrer no vaso feminino, as provas serão as reservadas às mulheres.

Segundo o pensamento espírita, o homossexual é um espírito que enfrenta momento de provação, e que deve estar vigilante para que saia vitorioso, em vez de agravar os seus débitos perante a lei divina. Mas o que é estar de acordo com a lei divina? A resposta foi dada por Jesus: Fazer aos outros todo o bem que gostaríamos que nos fizessem. Certamente que isso se manifesta também em nossos relacionamentos afetivos, através de gestos de respeito e carinho por aqueles seres com quem nos relacionamos. Então, o equilíbrio sexual (que se manifesta por um comportamento que não é promíscuo e nem desrespeitoso para com os sentimentos alheios) é caminho seguro tanto para homossexuais como para heterossexuais.

Todos nós somos seres em busca do equilíbrio espiritual. A maior parte de nós traz graves comprometimentos no que diz respeito no campo sexual. O Espírito Emmanuel, em sua obra "Vida e Sexo", psicografada por Chico Xavier, nos informa que, quase sempre, os que chegam no além-túmulo, sexualmente desequilibrados, depois de longas perturbações, renascem no mundo tolerando moléstias insidiosas, ou em condição homossexual, amargando pesadas provas como conseqüência dos excessos que cometeram no passado.

Depreende-se, portanto, que os homossexuais são Espíritos que podem ter cometido abusos sexuais em sexo diferente do atual, respondendo, tal comportamento no passado, pela atual atração que sente por pessoas do mesmo sexo, devendo resistir a esses apelos instintivos em prol do seu aperfeiçoamento moral.

Ainda o Espírito Emmanuel, em O Consolador, nos mostra que Deus não extermina as paixões dos homens, mas fá-las evoluir, convertendo-as pela dor em sagrados patrimônios da alma, competindo às criaturas dominar o coração, guiar os impulsos, orientar as tendências, na evolução sublime dos seus sentimentos. Informa Emmanuel que observamos almas numerosas aprendendo, entre as angústias sexuais do mundo, a renúncia e o sacrifício, em marcha para as mais puras aquisições do amor divino.
A recomendação do Espiritismo para o respeito e a compreensão para com os irmãos que transitam em condições sexuais inversivas (homossexualismo), ocorre em função do sentimento de fraternidade ou caridade que deve presidir o relacionamento humano, mas igualmente pelo fato de que nenhum de nós tem autoridade suficiente para condenar quem quer que seja, pois todos temos dificuldades morais e/ou materiais graves que precisam de educação. A esse respeito, Emmanuel finaliza o livro Vida e Sexo com a seguinte recomendação: "Diante de toda e qualquer desarmonia do mundo afetivo, seja com quem for e como for, colocai-vos, em pensamento, no lugar dos acusados, analisando as vossas tendências mais íntimas e, após verificardes se estais em condições de censurar alguém, escutai no âmago da consciência, o apelo inolvidável do Cristo: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei".

O escritor e médico psiquiatra Jorge Andréa, no seu livro Forças Sexuais da Alma, considera que o homossexual, ao atender os sentidos em satisfação sexual, não estará em processo de realização plena. Na homossexualidade, como em qualquer outro processo provacional, sofremos as conseqüências de nossos atos anteriores. Então, se reencarnamos com uma distonia relacionada à área sexual, isso nos deve ser encarado como sinalizador de que cometemos deslizes graves nessa área e que necessitamos de ajustes, principalmente no setor moral. Segundo Jorge Andréa, a falta de sintonia entre o ser e o querer ser, ou entre o que se é e o que se pensa ser, transforma o homossexual, masculino ou feminino, num ser frustrado (ainda que a negativa seja comum, num mecanismo psicológico por demais conhecido), atormentado por ilusões e anseios de consumação às vezes impossível e que o debilitam moralmente, abrindo porta larga a graves obsessões (obsessão é a influenciação negativa de um espírito desencarnado sobre uma pessoa).
Para o homossexual, há necessidade intransferível de vivência equilibrada no campo sexual a fim de encontrar a harmonia para as futuras reencarnações. Tanto o homossexual como o heterossexual devem buscar a sua reforma interior, não cedendo aos arrastamentos provocados pelos impulsos instintivos e sensuais. Ensinam-nos os espíritos que a energia sexual é criação divina e que o sexo em bases de amor e carinho, respeito e atenção pelo sentimento alheio, é força maravilhosa.

O Espírito André Luiz, no seu livro Conduta Espírita, psicografado por Chico Xavier, recomenda "distinguir no sexo a sede de energias superiores que o Criador concede à criatura para equilibrar-lhe as atividades, sentindo-se no dever de resguardá-la contra os desvios suscetíveis de corrompê-la".
A Doutrina Espírita não condena o homossexual. Ao contrário, recomenda que tenhamos para com ele todo o respeito, a consideração e o carinho, uma vez que é um espírito que atravessa momento difícil (até mesmo tormentoso) em que necessita promover a sua edificação moral, através de uma conduta sexual equilibrada. O que não é lícito ao hetero, também não pode ser ao homossexual. Para ambos, os abusos, tais como as orgias, o sadomasoquismo, a necrofilia, a pedofilia e outros, são práticas que comprometem o equilíbrio no manuseio das forças genésicas e são contrárias às leis naturais, dando uso aos órgãos sexuais de maneira diversa do que recomenda a sua natureza.

( retirado do site www.febnet.org.br - perguntas e respostas )

Então osbservemos melhor este assunto que assola a tantos irmãos e respondamos com siceridade que " Amar ao próximo é também questão de respeito, mas sem depravação!Todos os irmãos, homossexuais, heteressexuais, bissexuais, transsexuais, não importa!
Jesus sempre amou, a todos nós, numca perguntou o que somos ou como somos, simplesmente amou!!!

Parte II
Em continuação do assunto HOMOSSEXUALIDADE. 

Fonte: Apoio da Querida amiga mineira LU do CVDEE.


A sexualidade (e suas diversas manifestações/vivências) têm sido tema de estudos e análises não apenas por parte dos estudiosos encarnados, mas também pelos desencarnados. Como em relação a vários outros temas, o aprendizado é constante, e conforme amadurecemos como espíritos, nossa compreensão se amplia, nossos preconceitos diminuem e nossa conduta se torna mais moralizada.
O Espírito não tem sexo. Possui uma polaridade sexual, adquirida pelas suas vivências sexuais nas diversas reencarnações. As definições de sexo masculino ou feminino não são portanto absolutas, do ponto de vista espiritual, uma vez que o Espírito possui vivências em ambos os sexos ao longo do seu processo evolutivo. Para a grande maioria dos Espíritos, há preponderência de um ou outro aspecto da sexualidade, em determinado ponto da jornada evolutiva.
Como a heterossexualidade, a homossexualidade pode ser encarada sob vários aspectos. Desde de o indíviduo sentir-se com a sexualidade invertida em relação ao corpo físico (transexualidade) até a práticas sexuais ativas ou passivas com individuos do mesmo sexo biológico, o leque de experiências que são colocadas sob a denominação de "homossexualidade" é grande. Cuidados devem ser tomados ao se falar sobre o tema, pois o conceito que o expositor apresenta pode não ser idêntico (e geralmente não é) ao conceito que o ouvinte traz consigo.
Como espíritas somos orientados a respeitar o próximo em todas as situações.


"Respeitar", neste contexto, significa compreender que cada criatura é dotada de livre-arbítrio, consciência e traz sua própria bagagem espirtual, bem como é responsável por suas vivências e as consequencias das mesmas.


"Respeitar", no entanto, não é concordar, aceitar, ou se omitir. Podemos ter opiniões diferentes e manter o respeito.


Infelizmente, como ocorre com vários grupos de pessoas (e espíritos) que sofreram a discriminação repetidas vezes, às vezes em mais de uma encarnação, a bandeira da liberdade é levantada de forma ostensiva, e utilizada quase como arma. Tem sido comum que grupos homossexuais (organizados ou não) se utilizem do mesmo mecanismo discriminatório em relação aos heterossexuais a fim de estabelecerem seus pontos de vista e , também, no caminho contrário os heterossexuais (organizados ou não) se utilizam do mesmo mecanismo discriminatório, cada qual com suas justificativas ou entenderes.
É certo que o preconceito ainda existe e é muito grande, mesmo nas fileiras espíritas. No entanto, não é através da pura e simples "aceitação" que a questão será encaminhada, senão pelo "respeito". Em matéria de sexo, a maioria de nós ainda somos enfermos, de uma ou de outra forma, e estabelecer a enfermidade como norma apenas porque é a situação da maioria, será um grande equívoco, semelhante aos que já cometemos em vidas anteriores.


É preciso mais estudo, compreensão e uma certa "visão superior" a respeito do tema. A maioria das pessoas nada sabe de sexo, do ponto de vista espiritual, e está mergulhada nas idéias milenares - apoiadas por uma imensidão de espíritos também ignorantes do assunto.
Não é um assunto para ser contra ou a favor, quando analisamos individualmente. A conduta sexual de cada um, como a conduta intelectual, a conduta moral, a conduta emocional, são peças delicadas sob a responsabilidade de cada individualidade. O que o esclarecimento trazido pela Doutrina Espírita nos permite é ampliar um pouco a nossa visão, não a deixando limitada aos prazeres (e dores) associados à matéria.
Coletivamente, ainda precisamos melhorar muito nossa percepção, pois a conduta social e as leis espelham a consciência coletiva (ou a falta dela).


No entanto, somos chamados, sim, a colaborar no esclarecimento coletivo, sempre que possível. Qualquer um que tenha estudado a evolução histórica sabe que as leis avançam em exagero, para depois retrocederem em exagero, para tornarem a avançar, num movimento ritmico característico da evolução coletiva.
Não há dúvidas de que a homossexualidade (assim como a heterossexualidade) pode ser vivida e experienciada dentro das linhas do equilíbrio. Mas tanto num caso, quanto noutro, são raros os exemplos. No caso da homossexualidade a situação se complica por existirem outros tipos de coerção (principalmente social) a influenciarem o relacionamento afetivo. Em contrapartida, em muitos relacionamentos heterossexuais o suposto equilíbrio é mantido pela omissão ou subjugação (emocional e às vezes física) por parte de um dos parceiros.
Enfim, o que é necessário é um ambiente onde se possa ser favorável à conduta homossexual, mas também onde se possa ser contrário a mesma. Onde a pessoa não seja criticada por não concordar com condutas ou práticas homossexuais. Onde não seja tida como retrógrada ou atrasada por não aceitar determinadas condutas públicas que seriam censuráveis mesmo em um casal heterossexual. Onde não seja acusada de fanática, reacionária, recalcada, preconceituosa ou mesquinha por não se permitir - em sua estrutura mental, emocional ou cultural - concordar com as teses defendidas de formas variadas pendentes para um lado ou para o outro.


O respeito, que todos queremos receber, mas que precisamos vivenciar, deve sempre ser mútuo.
Mesmo porque, independentemente da sexualidade ou da aceitação de experiência a nível da sexualidade, todos nós somos imperfeitos, todos nós erramos e acertamos, todos nós estamos buscando, de uma forma ou de outra, evoluir.
O Espiritismo é claro quando diz que o progresso da civilização passa, necessariamente, pela abolição de toda e qualquer forma de preconceito.


Jesus disse : Amar a Deus sobre todas as coisas, mas Ele também disse amar ao próximo como a si mesmo.


E amar o próximo implica em simplesmente amar, sem ver condições para que esse amor possa existir; não há diferença no próximo: nem de cor, nem de religião, nem de vivências sexuais, nem de posições sociais, nem de evolução, ou seja, amar incondicionalmente todos o(s) Espírito(s) que caminha(m) junto conosco em busca do progresso , do crescimento, da evolução.


Embora Amar não implique, evidentemente, em deixar de corrigir com compreensão, com paciência, com amor, os equívocos, as más tendências, os erros; mas isso vale da mesma forma para todos, independente de quaisquer opções/vivências/experiências sejam em que níveis forem.
Os tropeços evolutivos também são assim: não escolhem por raça, sexo, religião, posição social; nenhum de nós escapa de equívocos e eles ocorrem de forma não discriminada porque eu sou isso e você é aquilo, mas simplesmente porque todos nós estamos em um mesmo processo evolutivo, sem exceção, ainda que em graus evolutivos diferenciados, cada qual vivendo seu momento, sua experiência necessária, seu aprendizado.
A educação, o respeito, a corrigenda, a compreensão, o amor, enfim tudo tudo vale para todos, independentemente da vivência sexual (o que vale também não só para a vivência sexual, mas também para a questão racial, questão financeira, questão social, ou quaisquer outras formas de discriminação e preconceito que , infelizmente, ainda existem).


É fácil? Dentro do modelo de sociedade que vivemos, que nos encontramos, não. Não é fácil para ninguém: nem para o homossexual, nem para a sua família , nem para nós que já temos um grau intelectualizado da questão, mas que ainda não praticamos de verdade verdadeira, embora creia que muitos de nós já tenha superado a fase de preconceito e de discriminação buscando viver a fase do amor , mas uma boa parte ainda não chegou a este momento(mas a estes, que ainda não chegaram a este momento, não podemos deixar de respeitá-los pela visão diferente da nossa e por causa do seu momento, o respeito é necessário sempre e em todas as circunstâncias).
Lembrando que cada um de nós (ou seja, todos nós sem exceções) terá computado em sua evolução , ou em seu processo evolutivo, o conjunto de sentimentos, pensamentos, ações e atitudes que tenhamos: voltaremos, homossexuais e heterossexuais, para reequilibrar e reajustar onde erramos; intensificar e fortalecer onde acertamos.
Lu Francis.


Bibliografia
(1) Vida e Sexo. Espírito Emmanuel/Francisco Cândido Xavier. cap.21 - Homossexualismo
(2) Sexo e Destino. Espírito André Luiz/Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira. 2¦ parte - cap. IX
(3) Evolução em Dois Mundos. Espírito André Luiz/Francisco Cândido Xavier - Waldo Vieira. 1¦ Parte - cap.
XVIII - Sexo e corpo espiritual.
(4) Quem tem medo dos Espíritos? - Richard Simonetti - cap. "Inversão Sexual"
(5) Forças Sexuais da Alma - Dr. Jorge Andréa - cap. "Intersexualismo. Transexualismo e Mudanças de Polarização Sexual em face da Reencarnação. Homossexualismo."
(6) Livro dos Espíritos - Allan Kardec - questão 202 - Trad. Herculano Pires
(7) Evolução em Dois Mundos. Espírito André Luiz/Francisco Cândido Xavier - Waldo Vieira. 2¦ Parte - cap.
XII - Diferenciação dos sexos.
(8) No Mundo Maior - Espírito André Luiz/Francisco Cândido Xavier - cap. 11 - Sexo
(9) Ação e Reação - Espírito André Luiz/Francisco Cândido Xavier - cap. 15 - Anotações Oportunas
(10) O Problema do Ser, do Destino e da Dor - Leon Denis - cap. XIII - As vidas sucessivas. A reencarnação e suas leis
(11) Nos Bastidores da Obsessão - Espírito Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo P. Franco - cap. 8 - Processos obsessivos
(12) Dramas da Obsessão - Espírito Dr. Bezerra de Menezes/Yvonne A. Pereira - 1¦ parte - cap. V
(13) No Limiar do Infinito - Espírito Joanna de Ângelis/Divaldo P. Franco - cap. 9 - Sexo e Reprodução
(14) Espírito, Períspirito e Alma - Hernani Guimarães Andrade - cap. 10 - Considerações Finais
(15) Educação e Vivência - Espírito Camilo/José Raul Teixeira
(16) Sexo e Obsessão _ Espírito Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco _ cap. 15 _ Sexo e Obsessão
(17) Loucura e Obsessão - Espírito Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco _ cap. 6 _ Destino e Sexo
(18) Homossexualidade, Reencarnação e Vida Mental - Walter Barcelos, editora Didier

5 comentários:

  • euliricoeu disse...

    Essa concepção da homossexualidade é mais amorosa, mais humana e mais "crística" ou cristã, como queiram.
    Devemos acolher a todos, sem acepção.
    E a caridade não vê gênero, etnia, não faz distinção de nada. Quem ama, só ama.

    Abraço fra/terno.

  • Allê disse...

    Com certeza querida Luma e Euliricoeu.Quando Cristo nos deixou a máxima Amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo,não nos deixou ter dúvidas.
    Abraços Fraternos.

  • yuri disse...

    Alle parabéns pela matéria...é isso ai Consciência para um mundo melhor!
    A mundança começa dentro...;

  • Luan Carlos disse...

    Simplesmente adorei, eu como homossexual teinha muuuuitas dúvidas a respeito desse assunto sempre me perguntando quais poderiam ser os motivos de eu ser assim. me sinto esclarecido
    muuito obrigado Allê

Postar um comentário